Are Islamic and Western finances converging?

May 16, 2012

Some pieces of information on Islamic finance were offered a while ago in this blog (in Portuguese, here, here and here). New info on some recent trends in the world of Islamic finance can be found in this recent post by Ian Fraser from Q Finance. Let me add the picture below (click on it and it will take you to the post “Islamic finance could aid development”, published in The Guardian). And the Sheng & Singh piece can be found here.

Click on picture to read post publised in The Guardian

Ian believes that “the centre of gravity of global finance [may] shift from London and New York to the Gulf and Kuala Lumpur”. It sounds like a long stretch, but the idea of some “convergence” trend mentioned in the post seems worth looking into.

At any rate, from a legal point of view, the possible convergence Read the rest of this entry »


Política econômica, cooperação social e desenvolvimento: qual o papel do direito?

August 12, 2011

Tem sido indicado neste blog (ver exemplos aqui e aqui) que os pacotes de austeridade adotados por governos em vários países, em resposta à crise econômica de 2007-2009, com desdobramentos até hoje, tem causado na sociedade um sentimento de indignação por limitarem a fruição dos direitos dos cidadãos (especialmente dos direitos sobre cuja importância se formaram consensos internacionais, a ponto de terem se tornado objeto de tratados internacionais de direitos humanos). E os distúrbios dos últimos dias em Londres e outras cidades da Inglaterra, ao que parece, estão mudando os termos do debate político naquele país. [Atualização 20-ago.-2011: Esses distúrbios estão também provocando reavaliações de discussões políticas e perspectivas para o futuro em outros países — ver aqui.]

Um estudo recente, com matéria publicada no website VoxEu, contém pesquisa empírica Read the rest of this entry »


Finanças, direitos, dinamismo econômico e múltiplas modernidades

September 11, 2008

A Malásia tem se tornado líder em finanças islâmicas, com várias práticas bancárias sob a disciplina jurídica da Sharia e com uma importante indústria de “seguro cooperativo”, conhecido como takaful e de resseguro, ou retakaful (ver exemplo aqui). O crescimento dessa liderança, aparentemente, deriva em parte de uma política tributária favorável à expansão do setor.

É evidente que a sofisticada organização das indústrias bancária e de seguros sob princípios e regras do direito islâmico oferece exemplos de como economias dinâmicas podem ter formas institucionais e “concepções básicas” (como a proibição de juros sob o islamismo) distintas das que são freqüentemente vistas como necessárias a uma noção abstrata de “economia de mercado”. Quem toma cegamente como guia esta noção abstrata negligencia o fato de que Read the rest of this entry »


Cartão de crédito islâmico

September 28, 2007

Uma evidência adicional de que há muitas maneiras de se organizar a economia está na existência das chamadas “finanças islâmicas”, conforme já apontado.

Sobre este tema, vale a pena registrar, também, que, conforme indicado em matéria do Indian Economy Blog (ver aqui), há um público preocupado em usar produtos financeiros que sejam compatíveis com visões articuladas e explícitas de bem moral. É o caso dos produtos financeiros compatíveis com a Sharia (são os produtos e serviços chamados “Shariah-compliant”). Segundo a matéria do Indian Economy Blog, há muitos clientes de bancos na India que fazem questão de respeitar a proibição islâmica da cobrança de juros. E o fazem de várias maneiras, dentre as quais: Read the rest of this entry »


Finanças islâmicas

July 26, 2007

A interdisciplinaridade permite à “Análise Jurídica da Política Econômica” (AJPE) entender de que modo elementos não-econômicos afetam a vida em sociedade e até mesmo a maneira como os próprios interesses econômicos são ou podem ser estruturados sob instituições marcadas por valores culturais e morais. Um exemplo importante disso pode ser visto no caso das chamadas “finanças islâmicas” (ou Islamic finance), que têm despertado o interesse de estudiosos em várias partes do mundo. Ver exemplo aqui.

As práticas financeiras sob o islamismo, de um modo geral, necessitam ser submetidas ao que é conhecido como Sharia, o direito vigente elaborado a partir do Corão, da Sunna (testemunhos dos atos e propósitos do profeta) e do fiqh (doutrina jurídica). Os produtos financeiros que são montados de maneira a respeitar a Sharia têm se expandido (ver aqui e aqui). Read the rest of this entry »